Hoje vou falar sobre o passo que é o mais importante do ballet: o plié! E vocês vão saber o por quê. Vocês vão saber tudo o que é preciso saber para fazer um plié PERFEITO!

Neste post, primeiro vou falar da terminologia, do significado do termo “plié”, vou explicar a sua execução, tanto do demi-plié, quanto para o grand plié, como é ensinado e ao final, vou colocar o vídeo que eu fiz para o canal do YouTube, em que explico os principais erros e as correções.

1. Terminologia: o significado do plié

No ballet, quase todos os passos são termos em francês, mais especificamente, são verbos no particípio passado da Língua Francesa. Isso se deve a Luis XIV, que, conforme vocês podem ler neste post, quis unificar a linguagem do ballet, quis que os maîtres de ballet falassem uma única língua, e essa língua foi o francês.

Dito isto, o termo “plié” é mais um termo oriundo da Língua Francesa que significa “dobrado” e é exatamente o que fazemos nesse passo: dobramos as pernas. Mas plié não é uma mera dobra de pernas, mas de ambas as pernas, não tendo uma perna de base e uma de trabalho. E é o que diferencia do “fondu” (derretido), mas deixaremos o fondu para outro post.

1.1. Demi plié

Sabemos que no ballet existe o demi e o grand plié. Na terminologia, o que significa é que “demi” é semi, ou metade, então, “demi-plié” é meia dobra de pernas. Vamos dobrar as pernas a fundo, mas até a metade. Isso quer dizer que em qualquer posição, vamos dobrar as pernas e afundar, mas os calcanhares JAMAIS vão sair do chão.

1.2. Grand plié

Se “demi” é metade, “grand” é grande, ou total, então, “grand plié” é uma dobra total de pernas. Vamos dobrar as pernas ao máximo. O grand plié começa com um demi-plié e, então, continuamos o movimento. Aqui vamos SIM tirar os calcares do chão, EXCETO na segunda posição. Nesta, apesar de dobramos as pernas ao máximo, os calcanhares não saem do chão. Em todas as outras posições, esse fato vai acontecer.

2. Execução do Plié e principais erros

Vimos que plié é dobra de pernas, mas não é qualquer dobra de pernas. Sua função é esticar e descontrair os músculos das pernas, tornando-os elásticos e preparado-os para os exercícios seguintes. Por isso, as aulas de ballet da barra geralmente começam com o plié.

O plié é tão importante que ele é eliminatório nas audições: bailarinos perdem a chance de entrarem em grandes companhias por executarem mal o plié, tamanha a sua importância. Esse passo tão importante é o princípio básico da técnica perfeita e bonita da dança e é o segredo dos grandes bailarinos, pois os que evoluíram artisticamente no acabamento técnico, têm o seu plié como um movimento natural. Nestes bailarinos, a fluidez e a ligação dos movimentos se fundem com a atmosfera do ballet.

Aos bailarinos iniciantes, o plié perfeito, aquele executado de forma consciente e correta é muito difícil de ser encontrado. O plié perfeito é aquele em que cada vez que o joelho dobra, deve dobrar até o fundo, ou seja, até o máximo possível, fazendo força com o músculo das coxas, para que o joelho não caia para frente, forçando ao máximo os tendões e mantendo o calcanhar totalmente no chão. O peso deve estar bem distribuído nas duas pernas, os joelhos na direção dos dedos, e a postura encaixada (não pode desencaixar o quadril, nem encaixar demais e nem deixar as costas cairem para frente).

Atento para o fato de que, um plié mal feito não é uma mera questão de estética, mas podem afetar, além da técnica, a carreira de uma bailarina, ou mesmo o tempo que uma bailarina amadora irá dançar, pois um plié incorreto pode causar lesões nos joelhos (pois afeta a cartilagem)  e também nos tornozelos, além da coluna.

Falando agora de grand plié, já vimos que ele começa com o demi-plié e afundamos até completar o movimento. E, assim como no demi-plié, é também de tamanha importância o trabalho de en dehors, a partir dos quadris e interior das coxas, pois, com os dois pés no chão e o peso do corpo bem distribuído entre as duas pernas, este trabalho é mais facilmente conseguido do que com uma das pernas fora do chão. Por isso, bailarina ou bailarino que me lê, caso você esteja tendo dificuldades no seu plié, recomendo os exercícios de en dehors desse vídeo, além de alongar sempre seus tendões.

O grand plié também aumenta a força das pernas, pois para se executar corretamente, é necessário descer e subir com a força das coxas e nunca com a do corpo (que deve permanecer reto) ou das costas (que devem estar bem presas e retas), e as costelas devem estar fechadas.

O grand plié, assim como o demi-plié, também ajuda a distribuir o peso do corpo e possibilita o sentir desse peso. Deve-se ter muito cuidado para que os joelhos dobrem na direção da ponta dos pés (e os iniciantes devem até mesmo se guiar na direção do dedo mindinho), forçando a abertura na parte interna das coxas, apertando o bumbum e mantendo o corpo e as costas retos.

O grand plié não deve ser executado de maneira brusca, ele deve ser feito continuamente, evitando parar o movimento em baixo (é o que chamamos de “sentar”) para depois subir.

3. O ensino do plié

Tanto o demi-plié quanto o grand plié podem ser executados nas 5 posições, mas para os iniciantes só deve ser dado nas 1a, 2a e 3a posições. Para os alunos mais avançados, dá-se o plié na 1a e 2a, bem como em 4a croisé e 5a, o que torna desnecessário fazer na 3a posição, pois a 5a a substitui.

O plié começa a ser estudado na ordem das posições; ou seja, a partir da 1a. Esta tradição, não é a toa. Ainda que haja quem propunha iniciar o plié na 2a posição, não é o que Vaganova recomenda. Pareceria até mais fácil estudá-lo primeiramente na 2a posição, por ser mais estável, mas essa lógica carece de incorreções, porque devido a uma posição mais estável das pernas durante o aprendizado deste passo a partir desta posição, o tronco se relaxa facilmente, e não há a devida contração de todo o corpo da bailarina.

Por isso, o mais correto é iniciar o aprendizado do plié na 1a posição. Nesta posição, que é menos estável, obriga desde o início a fazer alguns esforços para manter o eixo vertical, em torno do qual se constrói todo o equilíbrio do corpo de quem está dançando.

Isso obriga a conter os músculos e, agachando-se sem salientar as nádegas (atenção a isso! É o que difere o nosso plié do ballet do exercício de agachamento proposto nas aulas de musculação! É também um exercício muito importante, mas é outro tipo de trabalho). Todo o corpo fica mais concentrado, a postura é correta e dá fundamento para qualquer plié.

É muito mais difícil conseguir isso na 2a posição até das alunas mais avançadas, quanto nas iniciantes. É fácil acostumar ao relaxamento da musculatura, enquanto o que se busca é a contensão de todo o corpo durante o indireitamento das pernas para o demi-plié inicial.

A fase mais importante para o professor insistir na execução correta do plié é quando os alunos já estão com certo adiantamento, menos confusos com as posições e passos. Muitos professores esquecem disso porque ficam encantados com o progresso dos alunos. Além disso, muitos professores não dão a devida atenção ao demi-plié, pois têm a dura tarefa de ensinar a muitos alunos ao mesmo tempo e ficam preocupados com os erros mais aparentes e mais chocantes.

Na preocupação de dar combinações cada vez mais difíceis para desenvolver a técnica, alguns professores esquecem-se da importância do demi-plié e da falta que este fará ao aluno quando estiver em condições de dançar uma variação completa (seja numa audição, num concurso, ou mesmo numa apresentação).

Os alunos imaturos e inexperientes não dão importância ao plié, considerando-o um passo bobo, de iniciante, o que é um verdadeiro equívoco, pois é com este passo que se inicia o estudo do ballet e vai ser de extrema importância para se executar os passos mais difíceis, como giros e saltos.

Os professores e alunos devem ter sempre em mente a importância do demi-plié, exigindo sua execução ao começar qualquer combinação de passos de allegro, na ligação desses passos, e também quando estiverem trabalhando nas pontas.

 

Depois de toda essa explicação, espero que agora todos saibam executar corretamente o passo mais importante do ballet. Abaixo deixo o vídeo do canal, com os principais erros cometidos pelas bailarinas na execução do plié.

 

Vejo vocês no próximo post!

 

Fontes bibliográficas:

  • Fundamentos da Dança Clássica – Agrippina Vaganova, traduzido por Ana Silva e Silvério – 3a Edição.
  • Balé, uma arte – Dalal Achcar