Oi pessoal!

Mês passado eu recebi no meu whatsapp uma pergunta de uma seguidora que queria saber como se sentir mais confiante no ballet.

Depois dessa mensagem, também fiz essa pergunta nos meus stories do Instagram que vocês me responderam o que vocês fazem.

Antes de entrar mais no assunto, lembro que já fiz um post parecido com esse, mas mais voltado para o palco. Esse aqui vai ser mais para a sala de aula mesmo. Mas acaba que ajuda nos dois. Para ver o outro post, clique aqui!

Neste post, então, vou organizar um compilado de dicas com base nas minhas experiências e com base nas experiências do seguidores do Insta!

Vamos a elas:

1. Seja positivo

Você pode até não acreditar nisso, mas funciona SIM! Sabe quando o professor passa um passo e você pensa: “Ah, eu não consigo!”  ou “Eu NUNCA vou conseguir fazer isso!” ou ainda “só sai se o santo ajudar”. É nesse tipo de pensamento que tudo começa! As palavras e pensamentos têm um poder que a gente não faz ideia e você pode controlá-los SIM!!!

A partir de agora, está proibido dizer “Eu não consigo”! Estamos combinados? Você vai trocar isso por “eu vou conseguir”, “eu vou treinar até acertar”! E pode não ser de primeira vez que você vai aplicar esse pensamento que você vai conseguir (afinal, não é mágica! E o ballet requer muito treino! Lembre-se do ditado clichê: “A única coisa que cai do céu é chuva!”), mas se você continuar pensando que não vai conseguir, aí que você não vai conseguir mesmo!

Nosso corpo e nossa mente absorvem os nossos pensamentos! Portanto PARE DE SE AUTOSSABOTAR E DE SE AUTOLIMITAR!!! VOCÊ PODE TUDO!!!! Não se menospreze mais!!!

2. Se afaste de pessoas negativas

Na mesma linha de se manter positivo, já pensou no que acontece com a gente quando convivemos bastante tempo com pessoas negativas? O quanto a gente se sente esgotado com esse tipo de pessoa? É porque esse tipo de gente gasta nosso tempo e nossa energia!

Portanto, se você tem aquele amigo que fica “eu não consigo”, “eu sou ruim” ou até mesmo tenha uma certa negatividade escondida atrás de um elogio, como “ah você é linda, mas não é nenhuma Zakharova”, corre! Sério! Se não for possível cortar essa pessoa da sua vida, tenha o menor contato possível!

Pode parecer grosseiro ou mal educado! Mas já tem tanta coisa pra ocupar o nosso tempo e que nos desgasta, não precisamos de mais não é?

Se você conviver muito com amigos assim, além de consumir muito o seu tempo e a sua energia, você pode acabar, pelo simples convívio, se tornar alguém assim também e dificilmente conseguirá alcançar seus sonhos e correr atrás deles ou ainda continuar acreditando neles.

Sabe? Você pode acabar tendo os mesmos pensamentos e as mesmas reclamações e se autossabotando mais ainda e não é isso que você quer, não é? 

3. Comemore cada conquista sua

Você pode até não ser nenhuma Zakharova! Mas deixe isso pra lá! Lembre-se de cada conquista sua! Porque mesmo que você não seja essa Zakharova toda, você com certeza tem as suas conquistas na dança! Lembre-se delas sempre! E mais: lembre-se de que se você conseguiu essa conquista você pode conseguir ainda mais!

Quais foram as suas conquistas na dança? Fazer uma pirueta completa na ponta? Fazer fouettes? Dançar um solo? Lembre-se de que foi sim difícil pra chegar até ela, mas que você conseguiu! Você pode mais!

No meu caso, a minha última conquista foi que eu finalmente consegui fazer promenade na ponta no pas de deux. Eu comecei minhas aulas de pas de deux em janeiro de 2018 em um curso de férias da Petite Danse. Naquele momento, os promenades eram um verdadeiro terror pra mim. Eu não conseguia por nada fazer o bendito promenade sem descer da perna de base! Eu sempre caía da ponta! Até que eu consegui! Mas foi do dia pra noite? Claro que não! Eu meti na cabeça que eu ia fazer! E lá ficava eu depois da aula pedindo para os meninos da minha sala para me ajudarem e ver o que eu estava fazendo de errado!

Então, avante gente! Nada de desistir na primeira tentativa e lembre-se de que cada conquista conta SIM! Pode ser pequena! Mas essa pequenininha coisa que você conquistou aposto que teve muito esforço para você chegar nela! Continua se esforçando, que mais coisa boa você vai conseguir!

4. Lembre-se dos seus pontos positivos como bailarina

E não me venha com essa de “eu sou ruim, eu não tenho pontos positivos”! Pode esquecer isso! Todos nós temos as nossas qualidades! Tem bailarinas que tem aquele colo de pé maravilhoso, tem bailarinas que são mais flexíveis, tem as que são mais expressivas…

Com certeza alguma individualidade que te destaca como bailarina! O que te diferencia da multidão? Com certeza você tem algo aí dentro! Nem que seja a paixão pela dança! Então use isso ao seu favor e dance com todo o seu amor! Você pode conseguir coisas incríveis com essa sua qualidade!

Quais as suas qualidades? Lembre-se delas e as valorize dançando!!! Sem deixar de trabalhar em cima das suas dificuldades!

5. Não se compare com ninguém! Só com você mesma!

É normal termos uma amiga pirueteira, uma amiga elástica, aquela que parece que nasceu para dançar! Você pode ter várias amigas na dança que podem ser até melhores que você ou ter mais facilidades que você em algumas coisas!

Mas JAMAIS se subestime por causa disso, Ok? A partir de agora pode parar de se comparar com aquela sua amiga! A comparação não é com quem tem a perna mais alta ou com quem gira mais! Esse tipo de comparação só vai servir para te destruir! É isso que você quer?

A comparação é com você mesma! Você pode até admirar aquela sua amiga e usá-la como inspiração (“eu também vou chegar lá”), mas a comparação é você com você mesma há algum tempo atrás. Pense no que você melhorou e que você está cada vez melhor como bailarina!

6. Faça vídeos de você mesma durante a aula

Se filme dançando! É sério! Não é pra ninguém ver além de você, a não ser que você queira!

Mas porque se filmar, então? Os vídeos vão nos ajudar a nos lembrar de nossas qualidades como bailarina e das nossas pequenas vitórias!

Ao longo do ano ou até mesmo dos anos, você pode ter vários vídeos e fazer comparações com você mesma e ver o seu progresso durante as aulas. Às vezes a gente acha que não melhorou nadinha, mas quando assiste um vídeo antigo, consegue perceber justamente o contrário!

Então, se filme para essas comparações, lembrando de ter o cuidado para não atrapalhar nem o professor nem os colegas da sala com esse tipo de coisa, porque pode desconcentrar quem está a sua volta. Coloque o celular num cantinho, vê se está te pegando, põe pra filmar, esquece ele lá e vai fazer a sua aula normalmente. É só você decidir se quer filmar a aula toda ou algum trecho específico.

Tenho certeza que você vai ter comparações muito positivas de você mesma depois que fizer isso!

7. Cuide de sua aparência

Pode parecer besteira, mas a forma como você se prepara para ir pra aula pode SIM influenciar na sua autoestima e consequentemente na sua autoconfiança. Você vai desgrenhada? Com coque mais ou menos? Com meia rasgada? Com sapatilha furada e encardida? Com aquele collant que já deu o que tinha que dar ou que te engorda? Abandone isso tudo e vá arrumada! Com isso quero dizer que você não use esse tipo de coisa. Não precisa usar o collant mais caro do mercado! Só usar algo que te valorize! Um collant confortável, que não pinica e que não é cavado já está de bom tamanho! Se você vai de qualquer jeito para a aula, você não vai valorizar a si mesma e muito menos o seu ballet e provavelmente vai se sentir mal e dançar mal.

Há também quem goste de se maquiar pra aula com uma maquiagem bem levinha, por exemplo, só com blush corretivo e rímel. Eu não costumo fazer isso pelo simples motivo de não ter tanta paciência para colocar e tirar maquiagem todos os dias. Mas se você se sente bem fazendo isso, é válido! Acima de tudo, temos que nos arrumar para nos mesmas e fazer o que nos faz bem! Temos que nos arrumar para se sentir bem com a gente mesma dançando. Afinal a gente se olha tanto no espelho dançando que a autoestima vai influenciar diretamente na forma como a gente dança!

Então, cuide de você e da sua aparência que a sua dança com certeza vai ficar melhor!

8. Mude suas atitudes durante a aula

Pode parecer que a atitude só muda depois que a confiança vem. Mas a verdade é que uma coisa leva a outra. Se você continuar, por exemplo, se escondendo num cantinho no centro, sendo a última da barra, se esquivando em alguns passos que você acha difícil você também não ganhará nunca a “sonhada” confiança!

Se coloque no seu lugar na sala de aula e avante! Simplesmente vai lá e dança! Simples assim! Isso foi uma coisa que eu fiz que me ajudou a decorar mais os passos e a trabalhar em cima da minha timidez e a minha segurança. Foi uma forma de sair da minha zona de conforto no fundinho da sala e ver que eu posso sim ficar na frente! Porque não? Saia do fundo! Você também pode!

9. Trabalhe o seu lado emocional

Muitas dessas dicas que eu escrevi aqui também envolvem o lado emocional. Mas algumas vezes, pode ser que você precise trabalhar seu lado emocional mais a fundo. Se esse é o seu caso, tenho uma indicação de Curso Online para você! Se trata do curso “Psicologia da Dança” da Maria Cristina Lopes, Mestranda pela Universidade de Coimbra em psicologia do desenvolvimento. Esse curso é uma atualização profissional para bailarinos profissionais, professores de dança ou quaisquer outras profissões que trabalhem com a dança, como psicólogos ou terapeutas.

Eu conheci o trabalho da Maria Cristina quando eu pesquisava sobre medo de piruetas. Encontrei um vídeo dela no YouTube e me indentifiquei MUITO! Ela está organizando esse curso sobre o tema e a próxima turma começa dia 29 de abril de 2019, sendo online e com duração de 8 meses. As inscrições já começaram e você pode usar o meu cupom TUTUDAJU10 para ter descontos nas mensalidades!!!

A dança e o lado emocional do bailarino estão super conectados! Muitas vezes vai ser a dança que vai nos salvar dos problemas do nosso dia-a-dia, pois ela ajuda a esquecê-los ou pelo menos torná-los mais leves. Mas algumas vezes o amor pela dança não vai ser suficiente para te fazer dançar bem, pois algo dentro de você pode estar te bloqueando a dançar bem e leve! E essa é a proposta do curso: dar orientações aos profissionais para que eles façam com que os bailarinos dancem melhor e trabalhem seu lado emocional (seus medos, frustrações, ansiedades, etc).

Para mais informações e para se inscrever no curso, basta ir no site nesse link aqui usando o meu cupom de desconto TUTUDAJU10 que a Maria Cristina explica lá tudinho para você!

 

 

E essas foram as minhas dicas de hoje! Conta pra mim, quais delas vocês já fazem?

Um beijo e até o próximo post!