Olá pessoal!

Hoje fiz um novo vídeo pro canal, com o assunto que vocês me pedem muito: PONTAS!

Separei aqui algumas dicas para você melhorar a sua técnica do ballet na ponta.

Abaixo, segue o vídeo do canal e logo em seguida as dicas por escrito.

1. Segura o abdomen e a coxa na hora de subir na ponta.

Quando trabalhamos com o abdomen preso, além de ser esteticamente mais bonito, conseguimos fazer as coisas com mais facilidade no ballet. E não é atoa que isso acontece! Experimenta trabalhar “solta”! Não conseguimos girar, subir a perna, ficar no equilíbrio, subir na ponta. É no core que está a nossa força!

2. Não deixa cair pro dedão e nem pro mindinho.

Além de ser esteticamente feio quando fazemos isso, pode nos causar leões! Então, preste atenção em como você pisa dentro da ponta quando você sobe nela!

3. Relevé é vida! Elevé também! Sempre esticando o joelho e empurrando o peito do pé pra frente.

Já disse isso algumas vezes aqui, mas não custa repetir! Relevés e elevés nos fortalecem no ballet e facilita o trabalho. Agora, tem que ser feito de maneira correta e consciente: joelho esticado sempre e o peito do pé o máximo possível para a frente! Além de todas as outras coisas que sempre devemos pensar no ballet: postura, en dehors…

4. Nos saltinhos na ponta, usamos o pé de periquito.

Muitas vezes a sua professora deve corrigir quando você faz o “pé de periquito” (quando não subimos totalmente na ponta). Mas esse “pé de periquito” TEM QUE SER FEITO em raríssimos casos, como os saltinhos na ponta (ex: já viram a variação de Paquita que fazemos saltinhos em arabesque na ponta?). Pois nesses casos, se não fizermos isso podemos sim torcer o tornozelo! Além de ser a maneira mais fácil de se fazer.

5. Sempre que sobe na ponta, há uma passagem pela meia ponta.

SEMPRE SEMPRE SEMPRE! Não tem exceção pra isso! Além da leveza, e de te fortalecer, vai deixar o trabalho mais limpo, sem dar aqueles trancos. Tanto na subida, quanto na descida da ponta temos que fazer a passagem pela meia ponta!

6. Echappé é arrastado!

“Echappé” signica escapado. Por isso, quando não se tratar do salto, e sim do que se faz na ponta ou meia ponta, deve-se arrastar e não pular!

OBS: Para essa dica, vai depender do método utilizado. Pois há métodos em que o echappé se faz pulando sim. Mas o pulo é para o máximo da segunda ou o máximo da quarta, esticando os joelhos ao chegar nessas posições.

7. O piqué NÃO dobra o joelho! Base SEMPRE esticada.

Um erro MUITO comum entre os bailarinos. E serve para qualquer piqué! A base NUNCA dobra! É sempre esticada!

8. Nos relevés de uma perna só, subir na ponta ao mesmo tempo que a outra perna sobe no passé.

Isso vai ajudar nas piruetas. Se o seu giro não sai, pode ser esse um dos motivos! As duas pernas trabalham ao mesmo tempo, e não uma de cada vez!