Um balé também é uma peça desse gênero; deve ser dividido em cenas, em atos; cada um deles, em particular, deve ter um começo, um meio e um fim; isto é, uma-exposição, uma intriga, e um desenlace.

No entanto, por um infeliz efeito do hábito ou da ignorância, existem poucos balés com lógica; dança-se por dançar; imagina-se que tudo se resume a ações das pernas, a saltos elevados, e que se tenha correspondido à idéia que as pessoas de gosto têm de um balé, ao sobrecarregá-Ia de executantes que nada executam, que se confundem e se trombam, que apenas oferecem quadros frios e confusos, desenhados sem gosto, agrupados sem graça, privados de toda e qualquer harmonia e da expressão, filha do sentimento, única capaz de embelezar a arte, dando-lhe vida “

 

Olá bailarinas e bailarinos que acompanham o Tutu da Ju!

Hoje, dia 29 de abril, é o dia internacional da dança! Mas vcs sabem pq se comemora esse dia?

Esta data foi instituída pelo CID (Comitê Internacional da Dança) da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) no ano de 1982.

Se comemora este dia como o dia da dança, pq nesta data de 1727 nascia Jean-Georges Noverre, bailarino, coreógrafo e mestre de ballet francês. Noverre estava a frente do seu tempo e revolucionou o ballet. Pois até então o ballet era apenas uma sequencia de danças e de passos para divertir a Corte e normalmente estava associado a outras artes como a Ópera e a comédia e continha canções e falas. O ballet não era uma arte independente.

Através do seu livro “Lettres sur la Danse” (traduzido para o português como “Cartas Sobre a Dança”), Noverre escreveu suas definições de ballet, de espetáculo. Ele desenvolveu o que ficou conhecido como “Ballet d`action” (Ballet de açã0).  Para este renomado coreógrafo, o ballet deve contar uma história, deve ter uma intriga e todos os seus personagens devem estar ligados à história, todos têm um motivo de estar nela, não existem personagens supérfluos! Não pode, então, o ballet ser monótono e sem expressão. Noverre associa também o ballet à pantomima, de forma que o ballet passa a ser interpretado apenas com passos de dança, gestos e feições. Não contém mais canções e falas como costumava ter. Além disso, ele simplificou as alegorias e as vestimentas no ballet clássico para que os bailarinos pudessem verdadeiramente dançar.

Não foi Noverre quem criou o primeiro ballet de repertório, mas a partir dessas suas definições que foram repassadas para importantes bailarinos da época (já que além de ter deixado seus pensamentos no seu livro e de ter feito inúmeras viagens para a Europa, Noverre foi também diretor da companhia de Stuttgart, onde conduziu mais de quinhentos bailarinos) é que começaram a surgir os ballets de repertório.

Foi um aluno seu, Jean Dauberval, quem criou o primeiro ballet de repertório: “La Fille mal gardée”. E nota-se claramente que Dauberval utilizou-se das definições de Noverre para criar seu ballet. Pois, La Fille contém, por exemplo, uma intriga, e todos os seus personagens estão nesta história por algum motivo: desde os personagens principais até mesmo os secundários.

Se não fosse por Noverre, o ballet poderia ter ficado para sempre como arte “dependente” e secundária a outras. Graças a ele que temos o ballet como uma arte que fala por si, que temos os ballets de repertório até hoje e até mesmo alguns passos de dança como o “rond de jambe” e o “port de bras”.

Por isso que até hoje se comemora este dia e por isso vamos continuar comemorando! Graças a Jean-Georges Noverre!

 

Até o próximo post!